quarta-feira, 1 de abril de 2009

O apartheid social


A centenas de anos que estamos vivendo em uma sociedade discriminatória, miserável e que tem aversão a cultura preexistente. Essa é a nossa realidade: Somos um povo aculturado! Assim como diria o grande historiador Fernando Braudel: "Um homem que desconhece seu próprio passado é como se fosse uma pessoa com aminésia, ou seja, desconhece sua própria História.

A discriminação no Brasil foi consolidada ainda no tempo do Império brasileiro, onde os negros foram trazidos da África pela prática de escambo, para serem utilizados como mão-de-obra nos grandes engenhos de cana-de-açúcar. Mas isso só foi possível pela mentalidade colonialista europeia que justificava que os africanos descendente de Caim e amaldiçoados por Deus, deveriam sofrer no Brasil para alcançar a salvação. Essas "criaturas" foram tiradas da sua Terra, afastados de suas famílias e viviam sob maus-tratos, com direito apenas a uma alimentação indigna. E depois de contribuírem assiduamente por mais de 300 anos na sustentação da economica brasileira, eles foram jogados à sua própria sorte, sem direitos a nada.

Durante o período da República Velha ocorreu a Revolta da Chibata, liderada pro João Cândido, um grande herói, que foi omitido de nossa História. Descendente de escravos, que aos 13 anos entrou na marinha como aprendiz de marinheiro. Essa revolta pleitava a abolição dos castigos corporais na marinha brasileira. O Almirante Negro, como assim ficou conhecido e os demais marinheiros afirmavam: "Nós marinheiros, cidadodães brasileiros e republicanos não podemos mais suportar a escravidão na marinha brasileira." Após outra revolta cuja qual não participou, ele foi acusado de favorecer os rebeldes. Foi isolado nos Hospital dos Alienados dois anos. O revolucionário Cândido foi preso, discriminado e perseguido até o resto de sua vida, por que lutava pelo reconhecimento do negro na na marinha após a abolição da escravatura.

Atualmente muitos projetos e ideias foram criadas para exterminar o problema da discriminação racial que assola o nosso País. Por exemplo, o sistema de Costas, que reserva 10% das vagas na Universidades Federais apara negros, mas essa é uma atitude ineficaz pois estimula ainda mais o apartheid social e assim ferindo a declaração dos direitos universais, na qual consta que todos os indivíduos perante a constituição, tendo assim direitos iguais, independente de cor, sexualidade, religiosidade ou etnia.

Não há motivos para omitir personagens importantíssimos na nossa História, só por que eles eram negros e/ou revoltosos nem tentar favorecer mais uma raça de que outra, pois somos todos iguais em direitos e deveres. Todos os brasileiros devem saber que somo um povo rico, repleto de diversidades. O que torna um país admirável, graças à miscigenação, que nos fornece várias culturas, em um povo mulato, caboclo, cafuzo, indígena, brancos e negros.